VÍDEO - QUEM PODE SER UM ACOMPANHANTE TERAPÊUTICO?


         O AT é uma modalidade de clínica que atravessa as fronteiras do espaço fechado do consultório. No AT, o lugar da clínica é o espaço da cidade, é nela que o AT se movimenta, que o paciente circula, se socializa e se desenvolve.

Entre Vistas #7.1 - Leonel Braga Neto - Quem pode ser um Acompanhante Terapêutico?

(Vídeo retirado do canal PsiEntrevistas, no Youtube)






X CONGRESSO INTERNACIONAL DE ACOMPANHAMENTO TERAPÊUTICO -
“Clínicas en las fronteras. Caminos del AT en lo cotidiano”




        Dias 8,9 e 10 de outubro de 2015 ocorrerá o X Congresso Internacional de Acompanhamento Terapêutico, na cidade de Córdoba, Argentina. O evento, que também integra os Congressos Argentino e Iberoamericano de AT possibilitará o intercâmbio de experiências entre profissionais e pesquisadores atuantes em diversos países.

      Em um dos vídeos de divulgação do evento, Pablo Dragotto, Psicólogo argentino e presidente da Fundación Sistere de Acompanhamento Terapêutico, aponta que o lema escolhido - “Clínica nas fronteiras. Caminhos do AT no cotidiano” - diz respeito às fronteiras da clínica e à clínica das fronteiras, abarcando características próprias do AT na travessia de fronteiras disciplinares, geográficas e de classes sociais. Quanto à frase subseqüente do lema, a convocatória do evento associa esta a idéia de movimento, transição, resistência e superação, elementos próprios do processo de acompanhamento terapêutico e da própria formação do profissional que atua neste campo:

“Los caminos en lo cotidiano se relacionan con una actividad básica del at que es el caminar, el transitar, recorrer la ciudad, las instituciones, los barrios, las escuelas junto a su acompañado. Metafóricamente puede remitir a los recorridos formativos, de estudio, de supervisión, de resistencia e insistencia que los at recorren y transitan en el ejercicio de su labor y en su recorrido de capacitación constante.”


        Conforme a convocatória do congresso, há possibilidade de inscrição para trabalhos livres, oficinas, foros temáticos, minicursos e apresentação de livros ou revistas científicas através dos seguintes eixos temáticos:

1) Caminhos do AT na vida cotidiana
2) Clínica das/nas fronteiras
3) Caminhos e fronteiras dos âmbitos do AT (social, comunitário, institucional, educativo, entre outros)
4) Caminhos e fronteiras na diversidade da clínica (patologias, transtornos, crises, descapacidades, demências, doenças orgânicas, etapas da vida, entre outros).
5) Políticas publicas, DDHH e AT
6) Formação e capacitação em AT
7) Teoria, técnica e ética do AT
8) Historia e epistemologia do AT
9) Abrindo caminhos: primeiras e novas experiências em AT 


Obs. Os resumos devem ser enviados até o dia 08 de junho e os trabalhos completos até o dia 08 de setembro. A seleção de trabalhos aceitos para apresentação será feita pela Comissão Científica Organizadora do evento. A apresentação poderá ser realizada em idioma espanhol e português


        O GRUPO SUBJETIVAÇÃO parabeniza a Comissão Organizadora do evento, pois acredita ser fundamental a produção de conhecimento e a possibilidade de dialogo entre profissionais e estudantes atuantes ou interessados em Acompanhamento Terapêutico. Através desta troca, contribui-se para o desenvolvimento e consolidação do AT como dispositivo terapêutico de promoção de saúde.


- Site oficial do congresso:

- Vídeo de divulgação do congresso:

- Convocatória oficial do congresso:

Coletivo Subjetivação- subjetivacao@yahoo.com.br

Caroline Galvão - Psicóloga - CRP 07/16754
Felipe Leitão - Psicólogo - CRP 07/13165
Fernanda Andreazza Carrion - Psicóloga CRP 07/20987
Maria Celina Rodrigues Moleda - Psicóloga - CRP 07/23474
Rafael Lisboa dos Santos - Psicólogo - CRP 07/23948

Entre em contato conosco pelo e-mail subjetivacao@yahoo.com.br

- A Vida em Movimento -

Na ocasião do III Congresso Internacional, IV Ibero-americano, II Brasileiro de Acompanhamento Terapêutico, utilizamos o vídeo como ferramenta para disparar no grupo presente desacomodações, sentimentos, questionamentos, afirmações, críticas, dúvidas, etc, fazendo uma produção coletiva com a associação de imagens e música documentadas pelo grupo numa andança coletiva pela pólis. A exibição contou com a presença de aproximadamente 180 pessoas no auditório II da reitoria da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul).

O título do vídeo foi inspirado em um sarau literário homônimo realizado em 2007 pelo Subjetivação e que buscou no trabalho artístico de escritores brasileiros e estrangeiros, provocar um encontro de gostos, opiniões e qualquer outro efeito imprevisível que pudesse ocorrer. A partir do título do congresso (Multiversas Cidades, Andanças Caleidoscópicas, Tessitura de Redes) buscou-se inspiração para a captura das imagens. Das palavras à imagem e som.

O trabalho foi inscrito na Agenda Livre, espaço reservado para a realização de encontros de articulação em torno a temas específicos, performances, apresentações culturais, entre outras atividades não caracterizadas como apresentação de trabalhos, propostas por iniciativa de grupos de participantes do congresso.

III Congresso Internacional / IV Ibero-Americano / II Congresso Brasileiro de Acompanhamento Terapêutico

O acompanhamento terapêutico (AT) é um dispositivo de tratamento que surge, nos anos sessenta, junto a comunidades terapêuticas na Argentina e no Brasil, podendo ainda ser referido às experiências de desinstitucionalização da loucura na Inglaterra, Estados Unidos e Itália. Ele ganha um novo contorno em nosso país, por força de uma política de saúde mental que pôs em obra a construção de uma rede de serviços substitutivos ao manicômio, impondo o deslocamento de seus profissionais, do âmbito fechado do hospital, para o espaço aberto e múltiplo da cidade.

Nesse contexto, o AT torna-se uma função emblemática do contágio das disciplinas que englobam a saúde mental com o espaço e tempo da cidade, a qual é tomada como estratégia de sua intervenção, com o intuito de favorecer o estabelecimento de laços entre o usuário acompanhado e o território por ele habitado. Seu exercício − que se estende hoje também ao campo da assistência social, educação, sistema judiciário, entre outros − não se restringe a uma determinada profissão, mas atravessa um campo de práticas para o qual confluem múltiplos saberes, não só aqueles disciplinares, mas os que a vida possibilita. É assim que trabalhadores de diversas áreas de atuação, de diferentes níveis e formação, têm se dedicado ao acompanhamento terapêutico como uma modalidade do seu fazer profissional e como campo de investigação e produção de conhecimentos.

A maior difusão do AT, a partir dos anos oitenta, levou seus praticantes à discussão das experiências comuns, através da realização de diversos encontros, locais e nacionais. Em novembro de 2003, realizou-se o I Congresso Ibero-americano de Acompanhamento Terapêutico, em Buenos Aires, na Argentina, assinalando a presença e difusão do acompanhamento terapêutico em diversos países da América Latina. Em continuidade a esse evento, em setembro de 2006, realizou-se, em São Paulo, o II Congresso Ibero-americano e I Congresso Internacional de Acompanhamento Terapêutico, aprofundando sua discussão numa rede de pesquisadores, profissionais e estudantes, não só da América Latina, mas também daqueles que, na Europa e nos Estados Unidos, têm práticas semelhantes, embora utilizem nomenclaturas diferentes. No ano passado, a realização do III Congresso Ibero-americano e II Congresso Internacional de Acompanhamento Terapêutico ficou a cargo de Bahia Blanca, na Argentina. Em 2008, é a vez de Porto Alegre sediar o III Congresso Internacional, IV Congresso Ibero-americano e II Congresso Brasileiro de Acompanhamento Terapêutico.
*texto extraído do site oficial do congresso.

Para maiores informações, consulte o site
http://www.psicologia.ufrgs.br/congressoat